McLaren Senna GTR: a experiência definitiva de pilotar nas pistas

O McLaren Senna GTR leva o McLaren Senna (que já é o carro mais leve, mais potente e mais focado em pista, construído pela McLaren, ainda que legalizado para rodar em estradas) vários passos adiante em termos de desempenho final. Sem as restrições das regras de estrada ou de corrida, o novo carro da Ultimate Series é mais potente, pesa menos, chega a incríveis 1.000 kg de carga aerodinâmica e usa suspensão derivada do programa de corridas GT3 da McLaren.

“O McLaren Senna GTR é um exemplo perfeito da nossa determinação de trazer aos nossos clientes a expressão definitiva do desempenho e da excitação da pilotagem em pista. O McLaren Senna foi projetado desde o início para ser um carro de pista extremo, mas o McLaren Senna GTR Concept de 2018 sugeriu quanto mais poderíamos ir. Agora, livres das restrições da legislação sobre carros de estrada e das regras de competição do automobilismo, chegamos aos limites do que é tecnicamente possível para avançar por completo a capacidade de pilotagem em circuitos para outro nível.” – Mike Flewitt, diretor executivo da McLaren Automotive

O McLaren Senna GTR, que se une ao McLaren Senna e ao McLaren Speedtail na Ultimate Series da marca, sucede a lendários antecessores: o McLaren F1 GTR, vencedor da 24 Horas de Le Mans em 1995, e o McLaren P1™ GTR de 2015, e mantém o nome que honra a memória do tricampeão mundial de Fórmula 1 pela McLaren, Ayrton Senna.

Apenas 75 McLaren Senna GTR serão construídos no Centro de Produção da McLaren em Woking, no Reino Unido, com as primeiras entregas sendo feitas em setembro de 2019. Com preço de £ 1,1 milhão mais impostos, todos os carros estavam reservados a seus proprietários apenas algumas semanas após a abertura da carteira de pedidos aberta após a estréia do McLaren Senna GTR Concept no Salão Internacional do Automóvel de Genebra de 2018.

McLaren Senna GTR em detalhes

Trem de força

O McLaren Senna GTR é equipado com a versão mais extrema do motor V8 biturbo de 4 litros da McLaren. A unidade M840TR, com turbocompressores twin-scroll controlados eletronicamente, produz 825 HP com torque de 800 Nm. Os 25 HP extras em relação ao motor do McLaren Senna foram alcançados pela recalibragem do controle do motor e pela remoção do catalisador secundário para reduzir a contrapressão. A remoção do catalisador também aumenta a experiência auditiva de dirigir o McLaren Senna GTR.

O sistema de escape do conceito, com saídas laterais localizadas logo à frente das rodas traseiras, foi substituído por um sistema de saídas traseiras mais convencional no carro de produção, com os tubos agora emergindo do capô traseiro sob a asa traseira no mesmo localização, como no Senna. A mudança foi feita pelas mais puras razões de engenharia: os tubos de saída traseiros forneceram a rota mais curta e rápida para a saída dos gases de escape, economizando peso e reduzindo a complexidade.

Com 825 HP e um peso seco mais leve de 1.188 kg, a relação peso-potência de 1,44 kg/HP (ou 694 HP por tonelada) do McLaren Senna GTR excede confortavelmente não apenas o da McLaren Senna “comum”, mas todos os outros carros da McLaren Automotive para estrada ou pista atualmente em produção.

Três modos de tração estão disponíveis para o piloto do McLaren Senna GTR: Wet, Track e Race. O novo ajuste Wet, que fornece maior suporte dos sistemas eletrônicos ESP e ABS, é particularmente indicado para uso com pneus de chuva. A transmissão, que inclui uma função de Controle de Largada, é a mesma aclamada caixa de câmbio SSG (sigla de Seamless Shift Gearbox) de 7 marchas mais ré que se destaca na McLaren Senna de estrada.

Aerodinâmica

A otimização da eficiência aerodinâmica e o foco ainda mais extremo do que o do McLaren Senna – um carro já projetado para se destacar na pista – exigiu uma abordagem holística que submetesse todos os aspectos aerodinâmicos a um exame intenso. O McLaren Senna GTR Concept mostrou a direção e o carro de produção está pronto para proporcionar o desempenho aerodinâmico mais eficaz para a pilotagem em pista de qualquer produto da McLaren Automotive.

O McLaren Senna GTR gera níveis surpreendentes de downforce, chegando a mais de 1.000 kg, um aumento significativo sobre os 800 kg desenvolvidos pela McLaren Senna a 250 km/h. Crucialmente, uma “curva” de carga aerodinâmica completamente diferente significa que o McLaren Senna GTR pode gerar números de downforce equivalentes aos do McLaren Senna a velocidades  15% menores, ainda por cima se beneficiando de arrasto reduzido. O pacote aerodinâmico do McLaren Senna GTR proporciona efeitos positivos em curvas de alta velocidade e também em curvas de baixa velocidade e freadas, tornando o carro ainda menos sensível à inclinação e melhorando a estabilidade em todas as situações.

O divisor dianteiro foi redesenhado e o difusor traseiro reduziu de tamanho em comparação com os componentes do GTR Concept de 2018 para otimizar o desempenho e atender aos padrões de desempenho de pista exigidos. Outras mudanças em comparação com o conceito incluem novos componentes nos cantos dianteiros e geradores de vórtices de cada lado do carro para garantir um fluxo de ar estável por baixo do chassi. No geral, os elementos aerodinâmicos do McLaren Senna GTR trabalham juntos para fornecer uma carga aerodinâmica equilibrada da frente para a traseira em qualquer velocidade.

O novo divisor dianteiro possui uma seção central elevada para alimentar o ar sob o carro de volta ao novo difusor redesenhado. A eficiência do difusor foi, por sua vez, otimizada pela nova asa traseira – um design com painéis estilo LMP1, que conectam a asa à carroceria e são uma maneira altamente eficaz de direcionar o ar ao redor da traseira do carro.

Em comparação com a asa padrão da McLaren Senna instalada no GTR Concept 2018, a asa do McLaren Senna GTR foi redesenhada e realocada, tendo sido deslocada para trás. Esta nova posição, “livre das restrições de carros de estrada”, permite que a asa seja acoplada ao difusor, fazendo o melhor uso do ar que flui sobre a traseira do carro.

Como o McLaren Senna, o McLaren Senna GTR apresenta aerodinâmica ativa na forma das pás aerodinâmicas ativas que flanqueiam o Radiador de Baixa Temperatura e uma asa traseira articulada – elementos atualmente não permitidos nas corridas de GT3, mas que proporcionam vantagens aerodinâmicas significativas. A asa pode ser “travada” para velocidade máxima graças a um sistema automático de redução de arrasto (DRS).

Carroceria e estrutura

O McLaren Senna GTR leva o domínio da McLaren em fibra de carbono a um novo nível de desempenho para um carro de pista da McLaren, combinando peso leve com imensa rigidez estrutural. Um dos carros mais leves que a McLaren Automotive já produziu, o McLaren Senna GTR pesa 1.188 kg.

No núcleo do McLaren Senna GTR está uma estrutura central McLaren Monocage III-R, uma célula de segurança de fibra de carbono com gaiola integrada e pontos de montagem integrados. Como o McLaren Senna, há um chassi dianteiro e um chassi de motor, ambos de alumínio. A natureza extrema e inspirada em  corridas da carroceria composta de carbono parece mais intencional do que nunca, vestindo um chassi ainda mais largo que o do Senna e mais baixo em relação ao solo que o Senna da estrada em 34 mm, com 1.195 mm de altura. A bitola dianteira frontal aumentou em 77 mm para chegar a 1.731 mm, enquanto a traseira é mais larga em 68 mm, com 1.686 mm.

Os pára-lamas mais largos, acomodando rodas de 19 polegadas com trava central, exageram a relativa estreiteza da cabine e aumentam a aderência de forma ainda mais segura. Dispositivos arodinâmicos adicionais foram adicionados às capas das portas para otimizar o fluxo de ar das aberturas revisadas.

O McLaren Senna GTR é 10 kg mais leve que o McLaren Senna, já um parâmetro de carro de corrida leve. E isso acontece apesar da bitola mais larga do carro, da carroceria estendida e da montagem de equipamentos de corrida essenciais, incluindo macacos pneumáticos, rádio para comunicação com o box, sistema de extinção de incêndios e captação de dados. Muitos dos confortos do McLaren Senna foram eliminados no McLaren Senna GTR, incluindo telas sensíveis ao toque e sistema de áudio. Para otimizar o conforto em qualquer condição da pista, o ar condicionado foi mantido.

O pára-brisa e as janelas laterais, com aberturas de correr, são de policarbonato. As portas “tesoura” de fechamento suave são equipadas com um mecanismo de liberação manual e o abastecimento de combustível é o mesmo utilizado em corridas. Elementos aerodinâmicos externos de fibra de carbono têm acabamento brilhante como padrão. As rodas podem ser Preto Brilhante, Prata Race ou Grafite Escuro Fosco, e a cor dos suportes das portas e das pinças de freio podem ser especificada em Azul Azura, vermelho ou Laranja McLaren, sem custos adicionais.

Chassi e câmbio de corrida

O mais rápido, leve, agressivo e envolvente McLaren ainda foi cuidadosamente aperfeiçoado para acessibilidade. Por isso, a incrível experiência de pilotagem em pista que ele oferece não é exclusiva para pilotos profissionais. O objetivo que os engenheiros do programa estabeleceram foi simples: garantir que 95% do desempenho do carro pudesse estar acessível a 95% dos motoristas. Isso é conseguido no McLaren Senna GTR pela combinação da equilibrada carga aerodinâmica do carro de estrada com a nova suspensão derivada do programa de corridas GT3 da McLaren.

A suspensão de controle variável doa McLaren Senna, que possibilita diferentes alturas para estrada e pista, é supérflua no carro somente para pistas. Para economizar peso e reduzir a complexidade, ela foi substituída por triângulos, molas, montantes e barras estabilizadoras de alumínio desenvolvidas a partir da suspensão dos carros GT3 usados no programa de corridas de clientes da McLaren. Amortecedores ajustáveis de quatro vias são instalados, assim como buchas sólidas e cambagem ajustável.

Por não ter que cumprir as regras do GT3, que restringem os carros de corrida às rodas de 18 polegadas, o Senna GTR recebe rodas de 19 polegadas como o Senna, mas com travamento central. As rodas de liga leve forjadas Ultra-Lightweight (ultraleves) são também mais largas do que as atuais normas GT3 permitem, sendo 10J na frente e 13J na traseira. Os pneus slick de 19 polegadas são da Pirelli, tamanho 285/650 na frente e 325/705 na traseira.

As rodas maiores significam freios ainda maiores do que os instalados em um carro como o McLaren 720S GT3, para um sistema que oferece um impressionante poder de frenagem. Baseado no sistema de freios da McLaren Senna, o Senna GTR é equipado com pinças de seis pistões monobloco de alumínio forjado na frente e quatro pistões na traseira, trabalhando em discos de carbono-cerâmica com 390 mm que apresentam dutos de resfriamento usinados. Como o McLaren Senna, o Senna GTR também tem uma função de freio aerodinâmico na asa traseira, que neste caso foi projetado para entregar uma desaceleração máxima 20% maior em seus pneus slick.

O McLaren Senna GTR é equipado com muitos auxílios eletrônicos de pilotagem que fornecem segurança na estrada, incluindo ABS, controle de tração e controle dinâmico de estabilidade eletrônico. Além disso, possui controle de velocidade no pit Lane, sistemas de monitoramento da pressão dos pneus e da temperatura dos pneus, sensores de desgaste de pastilhas de freio, tecnologia de limpeza de disco de freio e radar anti-colisão.

McLaren Senna GTR por dentro

O McLaren Senna GTR é apenas com direção na esquerda, reconhecendo o fato de que a mão de direção é menos relevante em um carro de pista, bem como o fato de que a maioria dos compradores está localizada em mercados com mão de direção à esquerda. O banco de corrida leve de fibra de carbono tem aprovação da FIA, bem como o cinto de segurança de seis pontos. Um assento de passageiro está disponível como opcional sem custo. Como convém a um carro somente para pistas, a cabine não tem airbags, nem sistema de entretenimento e outros sistemas de auxílio ao motorista. Há um acabamento acetinado para os elementos de fibra de carbono do interior, as soleiras são cobertas com carpete preto – o único carpete do carro, na verdade – e o teto é de Alcantara®.

O conjunto de instrumentos dobrável e o volante do carro de estrada foram substituídos por itens de especificação de corrida. A tela do piloto exibe os principais dados nas formas mais simples, com uma linha de LEDs de mudança de marchas ao longo da borda superior. LEDs na lateral do habitáculo avisam a diminuição da distância em relação ao carro de trás por meio do sistema de radar anti-colisão de série, usado por carros de corridas de endurance de nível superior. Uma tela central adicional, substituindo a tela touch-screen do McLaren Senna, mostra a vista da câmera montada na parte de trás.

O volante é baseado no do carro GT3, mas com funcionalidade diferente para os botões, de acordo com o ethos de “um botão/uma função” da cabine. O volante tem borboletas de mudança de marcha integrads, é ajustável em altura e profundidade e possui sistema de liberação rápida.

O Senna GTR é equipado com um rádio de comunicação do box para o carro e duas câmeras on-board: uma voltada para a frente e outra na cabine. Há botões on-off simples para controle de largada, controle de velocidade no pit Lane e configuração dinâmica de chuva leve. Assim como no McLaren Senna, o botão de partida do motor é montado no teto. E quando esse grande botão vermelho é pressionado.

Fonte: LetraNova Comunicação